O que é gestão fiscal e as melhores práticas para o seu negócio

Autor: Casa Magalhães Assunto: Data: 13/07/2021
gestão fiscal para o varejo

O varejista compra, vende e paga os tributos previstos em lei. A fórmula parece simples, mas a gestão fiscal do varejo brasileiro é bem mais complexa do que parece.

Com  a cena econômica atual, é hora de rever os processos para reduzir os custos e não ter que fechar as portas — pelo menos, até a tempestade econômica passar. 

Algumas práticas de gestão fiscal podem ajudar empresas varejistas a se manterem competitivas, como é o caso de um bom planejamento tributário, controle fiscal eficiente, regime tributário adequado, pagamento de tributos devidos, cumprimento das obrigações acessórias e um bom planejamento de longo prazo com perspectivas fiscais e contábeis.

Fica difícil saber qual a real situação da empresa ou mesmo se ela está irregular com o Fisco, sem uma boa definição das metas. Em especial no varejo, onde a movimentação financeira pede maiores cuidados pelo grande volume e as chances de algo dar errado ou perca de  prazos das obrigações são bem maiores.

Por isso, conheça a seguir algumas dicas para melhorar a gestão fiscal da sua loja varejista, que por fim,  o ajudarão a vencer os desafios diários. Veja!

O que é Gestão Fiscal? 

A gestão fiscal é o conjunto de ações e procedimentos administrativos voltados para o cumprimento das legislações tributárias. Sendo assim, ela é responsável pelas obrigações tributárias, escrituração fiscal e pagamento de impostos.

Primeiramente, é importante saber que existem dois tipos diferentes de obrigações tributárias:

  1. Obrigação tributária principal: ligada a apuração e pagamento de tributos como taxas, impostos e contribuições.
  2. Obrigação tributária acessória: relacionada com a emissão de documentos fiscais, escrituração de documentos e uma série de dados que devem ser declaradas ao Fisco.

Uma função importante da gestão fiscal, contudo,  é ajudar na definição do seu regime tributário: Lucro Real, Lucro Presumido ou Simples Nacional. Além disso, é um grande aliado na prevenção de autuações fiscais, que por sua vez, gerindo as informações para estarem sempre de acordo com a legislação e claro, ajudando na saúde financeira do negócio.

Qual a importância da Gestão Fiscal?

O Brasil e um país que tem alta carga tributária e o seu regimento é um tanto complexo. Logo, para empreendedores sem grande experiência este é um assunto chato, complicado e que se resume a fatores de prejuízo de um negócio. 

É por isso que se faz necessário ter pelo menos uma base de conhecimento para não correr o risco de tomar decisões erradas. Por exemplo, existem empresas que podem reduzir suas despesas ao se enquadrarem no regime Lucro Presumido e por falta de informação, acabam optando pelo Lucro Real adquirindo gastos extras.

A relevância da gestão fiscal para o seu negócio será responsável por:

Disponibilizar informações precisas 

Quando se adota uma rotina de gestão fiscal você tem noção sobre suas obrigações, sabe como aplicá-las e faz a retenção e o certificação daquilo que é devido. Você não vai precisar se deparar com despesas fiscais “surpresas”. 

Auxiliar no recolhimento dos tributos

Fazer o controle garante ver se os tributos a serem recolhidos estão de acordo com o seu tipo de regimento e se estão dentro do prazo dado. 

Manter o negócio na formalidade 

Contudo, para fugir da alta tributação e ter uma boa margem de lucro, muitos negócios operam de forma “clandestina” sem dar atenção a legislação tributária. Portanto, adotar uma gestão fiscal é uma opção para não colocar seu projeto em risco e ainda, fugir de multas e não cair no radar da Polícia Federal.  

Economizar nos tributos 

Se você der o regime tributário correto para o seu negócio, o resultado terá impacto no seu lucro já que, dentre outros fatores, vai evitar despesas com cargas tributárias extras. Além disso, você estará fazendo o recolhimento dos tributos de forma correta. 

Quais os principais benefícios da Gestão Fiscal?

Estar em dia com o Fisco 

Com uma boa gestão fiscal, todas as obrigações serão respeitadas e suas atividades serão executadas em conformidade e segurança perante a legislação. Sabe aquele ditado que diz “quem não deve, não teme”? Pois então, é isso que irá acontecer. 

Tomar melhores decisões

Quando se está sob o controle das suas finanças, você enxerga tudo o que entra e para onde vão os seus recursos. Como resultado, fica mais fácil tomar decisões levando sempre em conta a saúde financeira da sua empresa.

Sabe aquela expansão que você sempre quis colocar em prática? Então! Com uma boa gestão fiscal, essa tarefa fica mais fácil.

Garantir a eficiência da gestão como um todo

A gestão fiscal garante uma melhoria na gestão de toda a empresa. Por exemplo, uma simples nota fiscal pode trazer dado relevantes que quando bem organizados, mostram um reflexo das suas operações e da um guia para novos caminhos. 

Dicas para uma Gestão Fiscal eficiente 

Quer saber como fazer uma gestão fiscal eficiente e estar em dia com o Fisco? Então, confira nossas dicas!

1. Fique de olho nas obrigações fiscais

O número de obrigações fiscais para o setor varejista só aumenta. Por isso, manter tudo organizado e controlado é o primeiro passo para uma gestão fiscal assertiva.

A boa notícia quando se trata do aumento de obrigações acessórias é que a grande maioria já faz parte de um processo automatizado, tornando-as mais racionais e mais fáceis — o que não significa que a preocupação diminui, muito pelo contrário. Entre as principais obrigações fiscais que os varejistas devem ficar de olho estão:

Escrituração Contábil Fiscal (ECF)

A ECF veio para substituir a Declaração de Informações Econômico-Fiscais da Pessoa Jurídica (DIPJ). É uma obrigação muito  complexa que pede que o contribuinte informe todas as operações que compõem a base de cálculo e o valor apurado de IRPJ (Imposto de Renda Pessoa Jurídica) e de CSLL (Contribuição Social sobre o Lucro Líquido).

A ECF demandará bastante atenção do varejista, é preciso que a implementação comece desde cedo, capacitando profissionais e preparando o ambiente organizacional para as novas exigências.

Bloco K do SPED

Livro Registro de Controle de Produção e do Estoque — o Bloco K. Contribuintes terão que escriturar todas as notas fiscais de entrada de mercadorias e, também, as de uso interno. 

eSocial

O eSocial é um programa que facilita a validação, o armazenamento e a distribuição das informações prestadas por todo contribuinte (pessoa física ou jurídica) que tenha empregados.

2. Faça um bom planejamento fiscal

É vital a adoção de um bom planejamento fiscal. Empreendedores que não levam em conta aspectos tributários na sua gestão, por exemplo, não administram corretamente o ônus tributário ou mesmo não garantem uma economia legal do quanto que se tem que pagar de tributos ao governo (impostos, taxas e contribuições) e podem colocar em risco todas as etapas produtivas do negócio.

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), cerca de 50% das empresas fecham as portas em menos de 3 anos pelo mau planejamento fiscal. Por isso, é preciso colocar tudo na ponta do lápis: encargos fiscais incidentes nas atividades dos negócios, obrigações acessórias, bem como a criação de uma reserva que possa cobrir eventuais problemas — no caso de falhas internas que possam atrasar a entrega de uma obrigação acessória, gerando, assim, multa.

3. Pesquise sobre os benefícios fiscais

Nos últimos anos, o governo (federal, estadual ou municipal) vem concedendo benefícios fiscais a certas empresas, afim de, estimular certa atividade ou um setor específico. Entre os benefícios, por exemplo, estão o direito à redução da alíquota do imposto, de compensação, de isenção.

Com isso, por meio de projetos voltados para pesquisas, desenvolvimento e inovação tecnológica, as empresas podem usufruir dos incentivos fiscais e, ainda, alavancar os resultados do próprio negócio. Logo, é crucial que os empreendedores saiba das políticas de benefícios fiscais e a possibilidade de poder utilizá-los.

4. Escolha um regime tributário adequado

Simples Nacional, Lucro Presumido ou Lucro Real? Na escolha de um regime tributário errado, a empresa pode pagar mais impostos, e ainda, estar ilegal diante do Fisco.

Para o sucesso de qualquer tipo de negócio, é básico uma boa gestão fiscal. Uma opção malfeita pode atacar  a saúde do negócio.

A situação fiscal de uma empresa pode mudar de um ano para outro. Assim, é básico que o empreendedor faça um planejamento tributário periódico para saber quais modelos são aplicáveis e, ainda, se é o mais adequado.

É necessário que o contribuinte veja os números de perto. Só assim será possível avaliar qual a melhor escolha e qual trará os melhores resultados.

5. Utilize um software de Gestão Fiscal

Várias obrigações fiscais passaram a ser entregues em formato digital, sem o uso de documento físico. Com isso, é crucial que empreendedores passem a contar com a automatização dos processos fiscais internos.

Isso porque, com o uso de um software de gestão fiscal, é possível integrar não apenas todos os setores da empresa, mas também os sistemas. Assim, o controle e o monitoramento passam a ser mais eficientes, o que faz com que os dados possam ser tratados de forma mais ágil e, no caso de alguma irregularidade, sejam resolvidas rapidamente.

Quer continuar acompanhando os posts aqui do blog? Então, assine nossa newsletter agora mesmo e fique por dentro das novidades! Basta fazer o seu cadastro aqui !

 

 

Compartilhe:

Outros Artigos Relacionados

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.