Como fazer uma boa gestão de fornecedores de alimentos? - Blog da Casa Magalhães

Como fazer uma boa gestão de fornecedores de alimentos?

Autor: Casa Magalhães Assunto: Data: 09/06/2019
Como fazer uma boa gestão de fornecedores de alimentos?

Qual a importância de fazer uma boa gestão de fornecedores de alimentos? A gestão em si, independentemente da área, é fundamental para o sucesso e consolidação de mercado de uma empresa, podendo assim, influenciar seja de forma positiva ou negativa em seu planejamento estratégico.

Ao falarmos de gestão de fornecedores de alimentos, é preciso estar atendo ao fato de que o consumidor final está cada vez mais bem informado a cerca do que consome, ou seja, se o produto fornecido não for de qualidade, as vendas e o fluxo de clientes do seu supermercado serão diretamente impactados.

Por exemplo, onde você compraria verduras, em um estabelecimento em que elas estão sempre fresquinhas e com boa qualidade ou no que geralmente recebe reclamações por ofertarem verduras murchas e feias? É um exemplo simples, mas que mostra as consequências da falta de uma boa gestão de fornecedores de alimentos, pois, ela compromete até mesmo a decisão de compra do consumidor.

Para compreender  melhor sobre como fazer uma boa gestão de fornecedores de alimentos, confira essas 4 dicas indispensáveis para realizá-la da forma certa.

1. Mantenha um bom relacionamento com o seus fornecedores

Criar um relacionamento sólido e de confiança está entre os pilares de uma boa gestão de fornecedores, e quando falamos do varejo de alimentos, isso é ainda mais verídico. É uma questão lógica: se você vai vender produtos alimentícios para os seus clientes, o melhor caminho é adquiri-los de fabricantes e fornecedores confiáveis.

Em outras palavras, o tipo de relacionamento que você tem com os fornecedores pode influenciar diretamente no desempenho do seu comércio. É muito mais fácil e benéfico comprar de parceiros com os quais você tem afinidade. Além disso, a boa relação é determinante para a obtenção de vantagens e o fechamento de ótimas transações.

O contrário também é real. Ao adquirir mercadorias de fornecedores que não transmitem confiança ou que agem de maneira superficial, as chances de surgirem falhas e adversidades são muito maiores, o que pode resultar em prejuízos consideráveis no longo prazo.

Para não correr riscos, trate sempre os fornecedores como parceiros do seu negócio, e não como peças que podem ser descartadas a qualquer momento. O bom tratamento tende a ser recíproco.

2. Saiba avaliar os fornecedores de forma adequada

A conquista e a consolidação da confiança são mais fáceis quando você avalia os fornecedores por meio de critérios relevantes. Considerar apenas os preços das mercadorias para uma decisão final é um erro que não pode ser cometido por nenhum gestor.

No setor de alimentos, é comum que essa análise foque nos preços das mercadorias. No entanto, além de nem sempre ser algo vantajoso para o comprador, esse costuma ser um tipo de negociação que desmotiva o vendedor — e isso é um mau sinal na construção de um relacionamento.

Coloque a inteligência e o bom senso em primeiro lugar e não se esqueça que a qualidade dos produtos e a eficiência dos serviços oferecidos pelo fornecedor também serão essenciais para a sua empresa.

Não adianta ter preços acessíveis se as entregas acontecem com atraso ou mesmo se o parceiro não apresenta capacidade para suprir a sua loja sempre que necessário, por exemplo. O melhor caminho é considerar o custo-benefício durante uma avaliação, garantindo sucesso nas operações futuras.

Dica: Entenda a importância de fazer uma boa gestão de fornecedores.

3. Compartilhe informações do seu estoque

Acertar na escolha dos fornecedores faz toda a diferença. O objetivo do gestor é garantir a otimização dos processos, ou seja, assegurar a compra e o abastecimento de produtos alimentícios no menor custo e com a máxima eficiência.

Uma ótima maneira para conseguir isso é mantendo um bom controle do estoque, certificando-se de sempre ter mercadorias em quantidade satisfatória para atender às demandas da empresa.

Todavia, em épocas sazonais essa tarefa pode ser muito difícil. Alguns produtos tendem a vender com mais facilidade, aumentando o fluxo do estoque. Um pequeno descuido no trabalho do gestor é o suficiente para surgirem rupturas de mercadorias.

No entanto, esse cenário negativo pode ser evitado com uma boa parceria entre fornecedor e empresa, além do compartilhamento de informações sobre o estoque da loja. Para facilitar ainda mais essa integração, você pode contar com um software de gestão de estoque.

Com a implementação da solução é possível criar parâmetros para identificar níveis mínimos no estoque. Na prática, assim que esses números forem atingidos, tanto o gestor da empresa quanto os fornecedores saberão que é hora da reposição de mercadorias.

Além de agilizar as operações, o compartilhamento de informações por meio de um software inteligente gera outras vantagens, tais como:

  • diminuição dos riscos de compra de produtos obsoletos ou de baixo giro;
  • fortalecimento da confiança entre fornecedor e empresa;
  • melhor controle do fluxo de estoque.

No entanto, é importante ficar atento quanto à definição dos números do estoque. Os níveis precisam ser estabelecidos com base no controle rigoroso de entrada e da saída de mercadorias, garantindo a reposição correta dos produtos.

4. Utilize um sistema para facilitar e otimizar o processo de gestão de fornecedores de alimentos

Como vimos no decorrer do artigo, uma gestão de fornecedores de alimentos envolve muitos processos, dados, informações, relatórios, entre outros. É factível dizer que se torna impossível para o gestor monitorar tudo isso utilizando anotações pessoais ou ferramentas simples, como planilhas digitais.

Além disso, não basta ter o controle sobre as informações e os processos: o objetivo maior é garantir que todas as operações aconteçam com o máximo desempenho, resultando no crescimento das vendas e dos lucros da empresa.

A melhor forma de fazer isso é adotando tecnologias disponíveis no mercado, como os sistemas de gestão. Ao contar com esse tipo de solução, o gestor não apenas consegue gerenciar o relacionamento com fornecedores e acompanhar o fluxo de vendas, como também implementa a integração de dados entre diferentes setores do negócio.

Em outras palavras, um sistema de gestão realiza uma profissionalização das atividades que envolvem a compra e venda de produtos alimentícios. Se antes o monitoramento e a execução de processos eram feitos de forma manual, a automatização passa a ser uma realidade dentro do negócio.

Como uma ferramenta completa, um sistema de gestão oferece diversas soluções a fim de facilitar o trabalho do gestor. Confira algumas delas:

  • gerenciamento e cadastro de fornecedores — consulta de informações com facilidade sobre as empresas parceiras;
  • emissão de nota fiscal — agilidade e controle na emissão de nota fiscal, assegurando a otimização de um processo de suma importância;
  • controle dos pedidos de compra — armazenamento dos dados sobre os tipos de negociação fechados com os fornecedores, garantindo melhor controle para o setor de vendas e para o financeiro.

Essas são algumas das principais dicas para você desenvolver uma gestão diferenciada com os seus fornecedores de alimentos. Como explicado, não adianta se apegar a preços e prazos: é importante avaliar a qualidade dos produtos e a eficácia dos serviços oferecidos. Além disso, é essencial realizar um trabalho correto de acompanhamento do estoque e do fluxo de compra e venda do estabelecimento.

No vídeo abaixo, Felipe Pucci, especialista no mercado varejista, explica a importância de ter o fornecedor como aliado em seu supermercado. Confira!

 

Gostou de compreender melhor sobre como fazer uma boa gestão de fornecedores de alimentos? Então assine a nossa Newsletter para não perder nenhum dos nossos conteúdos!

 

Compartilhe:

Outros Artigos Relacionados

Comentários

Leave a Reply

Your email address will not be published.