Acessibilidade em supermercados: como adaptar o seu comércio?

Autor: Casa Magalhães Assunto: Data: 5 de julho de 2018
como adaptar acessibilidade para comércio

Mais do que um ato de consciência, a melhoria da acessibilidade em supermercados é uma questão de respeito ao consumidor e, dentre tantos outras possibilidades de expansão do seu negócio, este fator representa um diferencial competitivo muito importante.

Nem todos os donos de estabelecimentos e gerentes estão preparados para receber clientes com algum tipo de necessidade específica ou mesmo de idade mais avançada. Assim, para garantir que o seu comércio tenha as condições ideais de acolher este público algumas adaptações serão necessárias.

Se você já pensou sobre o assunto, mas não sabe ao certo por onde começar, ou, até mesmo se ainda não teve tempo para refletir sobre o tema, separamos alguns pontos relevantes sobre os quais vale a pena considerar. Continue lendo este texto e confira!

Entendendo a demanda

Antes de começar a fazer reformas, comprar equipamentos e coisas o tipo, o empreendedor precisa entender a real necessidade de buscar a acessibilidade em supermercados.

Uma pesquisa feita em 2015 pelo IBGE apurou que dentre todos os brasileiros 6,2% são portadores de alguma deficiência. Se considerarmos que neste mesmo ano a população nacional era de 206 milhões de pessoas, temos quase 13 milhões de deficientes que, muitas vezes, não são lembrados enquanto potenciais clientes.

Além disso, precisamos também considerar a população de idosos que cresce em ritmo acelerado. Para se ter uma ideia de como este número vem aumentando rapidamente, basta olhar outros números também do IBGE.

Em dez anos o número de idosos cresceu muito: enquanto em 2005, havia no território nacional 9,8% de pessoas com mais de 60 anos, em 2015 este volume pulou para 14,3%.

Considerando que em 2017 passamos de 207,7 milhões de pessoas no Brasil, estes números tendem a aumentar ainda mais. Embora a estejamos em um ritmo que indica a redução populacional por uma natalidade menor, ainda crescemos quase 1% ao ano; e é notável que as pessoas estão envelhecendo e vivendo mais.

Todos esses dados indicam a necessidade constante de tomar medidas – em lugares comerciais – para que a experiência do cliente seja a melhor possível. Considerando este fator, é preciso investir em mudanças, como na melhora da acessibilidade em supermercados.

A mudança de mentalidade

Depois de entendido que é realmente necessário começar a preparar o estabelecimento para estes clientes, é preciso que se perceba que não são somente as mudanças físicas que precisam acontecer.

É necessário que toda a equipe do supermercado, principalmente donos e gestores, estejam atentos e bem preparados.

A acessibilidade envolve um atendimento mais dedicado e cuidadoso. Não adianta, por exemplo, colocar rampas de acesso para cadeirantes, mas esquecer de treinar o seu pessoal para não deixar caixas e estruturas que atrapalhem a circulação nos corredores.

PDV tem que oferecer conforto e circulação adequada para de forma que todos os clientes consigam transitar livremente. Os caixas também precisam estar bem orientados a como tratar cada cliente.

Isso exige atenção a cada tipo de portador de deficiência e também os idosos, que, por vezes, podem acabar sendo mais lentos na hora de pagar as contas, ou se atrapalhar um pouco com senhas e cartões.

As mudanças físicas necessárias para garantir a acessibilidade em supermercados

Depois de entender melhor a necessidade de atentar-se a esta demanda, assim como a importância de manter um bom preparo da equipe, passaremos para alguns pontos mais objetivos.

Sendo assim, como trabalhar para melhorar a acessibilidade em supermercados?

Para responder de forma mais fácil, seguiremos com os aspectos de acordo com a perspectiva de um cliente chegando ao supermercado. Acompanhe conosco:

1. A entrada

Se o seu supermercado possui um estacionamento, é importante observar se há vagas separadas para deficientes e idosos próximas à porta de entrada.

Lembre-se que não basta escolher qualquer uma. Um cadeirante precisa de um espaço maior para conseguir se locomover. Logo, um espaço maior para abrir bem as portas do carro é fundamental, assim como um caminho largo entre os outros veículos.

No caso do idoso, pode ser que ele venha com mais alguém para acompanhá-lo, use andador ou bengala. Estes casos reforçam a necessidade de áreas de circulação e acesso mais abertas.

Já para clientes que vêm direto pela calçada é preciso avaliar se ela está em boas condições, se há rampas bem feitas, portas largas e corrimões dos dois lados para apoio.

Note que o espaço físico, começando pela entrada em seu estabelecimento, deve estar de acordo com a segurança do cliente. Por isso, lembre-se, também, de ter uma boa sinalização sensorial no chão pois, os deficientes visuais dependem muito deste tipo de ajuda.

2. Durante as compras

Existem alguns carrinhos especiais para pessoas com deficiência e idosos e se o seu supermercado não dispõe deles, vale a pena repensar.

Além disso, vários outros detalhes precisam ser ajustados como, por exemplo, nomes e preços de produtos em braile para quem não tem nenhuma visão. No caso de quem tem baixa visão, é bom que se utilize letras grandes e legíveis.

Para tornar tudo mais confortável, garanta que as prateleiras tenham fácil acesso dispondo sempre de uma área confortável de aproximação frontal e lateral. Procure também fazer uma disposição vertical dos produtos. Estas duas precauções ajudarão aos cadeirantes a não dependerem de ninguém para alcançar os produtos que quiserem.

Caso haja mesas para um lanche rápido em seu supermercado, garanta que elas tenham a altura ideal e que possam ser acessadas por todos.

Atendentes de balcões como na padaria ou açougue devem ser muito bem treinados para conseguir interagir de forma natural e respeitosa. No caso de surdos, é muito importante que se fale pausadamente e de frente para o cliente para que a leitura labial não seja um problema.

3. Na hora de pagar

Ao finalizar as compras, o consumidor que vai ao caixa também precisa de alguns cuidados. Instale sinais sonoros para ajudar os deficientes visuais a perceber quando os caixas estão livres. Estes sinais também podem ser utilizados em portas de entrada e saída da sua loja.

Oriente aos caixas a ficarem atentos quanto às compras dos seus clientes de forma que produtos selecionados por uma pessoa não acabem sendo passados para outra. Além de evitar dores de cabeça, esta precaução vai economizar tempo e fazer as filas andarem mais rápidas.

Como todo cliente que passar pelo supermercado irá interagir com os caixas, é fundamental que estes funcionários tenham um treinamento voltado para dar a atenção necessária ajudando quem precisar e tratando com paciência cada tipo de situação.

Se em seu estabelecimento ainda houver funcionários à disposição para ajudar a empacotar as compras, oriente-o a dar prioridade aos casos de clientes com mais dificuldades.

Além disso, caso seja necessário, levar as compras até o carro também é uma tarefa que deve ser feita.

Seguindo estas orientações e tendo sensibilidade a este tipo de público, o seu negócio terá clientes muito mais satisfeitos e fidelizados.

Se você gostou desta matéria sobre acessibilidade em supermercados e quer receber mais conteúdos que ajudarão sua empresa a melhorar resultados, assine a nossa newsletter em nosso blog e receba nossas novidades por E-mail! Temos sempre dicas e boas práticas de mercado para dividir com você!


Compartilhe:

Outros Artigos Relacionados

Comentários